Entrevista na CBN Foz com Diretor da PJ Eventos

O diretor da PJ Eventos, Plácido José de Oliveira, fala à Radio CBN Foz sobre a realização do HOTEL SHOW 2015, nos dias 17 a 19 de Junho no Golden Tulip Internacional Foz.

Confira a entrevista na íntegra:




Sustentabilidade deixou de ser apenas “selo” mercadológico utilizado pelos meios de hospedagem, restaurantes e outros equipamentos de turismo como uma ferramenta de marketing. Sustentabilidade hoje é, na verdade, uma necessidade de sobrevivência para o setor. Uma forma clara e concreta de viabilização de negócios a medida que, ao adotar ações concretas e sustentáveis Hotéis, Motéis, Restaurantes, Buffets, Bares e outros equipamentos de Turismo trabalham com redução de custos, economia de recursos naturais, muitos deles esgotáveis, outros em racionamento ou a custos elevadíssimos. 
O Hotel Show 2015  estará abordando temas e trazendo diversas soluções de SUSTENTABILIDADE para Meios de Hospedagem e Alimentação, seja através de palestras, oficinas, expositores e apresentação de experiências exitosas que permitiram a outras empresas conseguir, efetivamente, reduzir custos com medidas relativamente simples e investimentos nem sempre custosos. 
Além de ideias o Hotel Show 2015 traz linhas de crédito para investimento em modernização e sustentabilidade, crédito barato oferecido por instituições financeiras que tem objetivos sociais.




É notória a ascensão da classe média no Brasil nos últimos anos. Entre outros desdobramentos, isso resultou no nítido aumento da demanda por produtos de turismo e de lazer. Para entender os fatores que impulsionam o setor turístico e como ele atua no desenvolvimento da economia no Brasil, é preciso enxergar a importância da parceria entre as entidades representativas e a relevância de alguns segmentos.

É justo afirmar que a hospedagem e a alimentação fora do lar são a base do turismo. E como representante das duas categorias, trago algumas reflexões. Como presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), entidade que representa ambos os setores há 60 anos, sinto-me confortável em pontuar alguns fatores cruciais para o desenvolvimento do turismo. Primeiramente, é imprescindível a parceria com diretores, estafes, colaboradores de entidades coirmãs, patrocinadores de projetos em prol do turismo nacional, assim como com as três esferas nacionais de poder. É de suma importância estarmos constantemente fortalecendo a nossa representatividade enquanto federação e estarmos em constante sinergia com os nossos sindicatos filiados, com o trade, com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) – de quem recebemos incontestável apoio financeiro e institucional – e com os anseios dos laborais.

O período pós-Copa tem sido muito positivo tanto para o setor de hospitalidade como para a gastronomia. Fomos muito bem avaliados e superamos expectativas. Nosso principal desafio agora é mantermos o padrão de atendimento e qualidade dos nossos serviços e levarmos à frente o legado positivo que construímos durante a realização do Mundial. Os gargalos ainda existem, mas se trabalharmos juntos por nossas bandeiras, eles podem ser sanados ao passo que caminhamos rumo à consolidação do turismo como mola propulsora da geração de emprego e renda no Brasil.

É preciso pensar também nos dois segmentos individualmente. Estaremos, mais do que nunca, lutando pelos nossos pleitos com legitimidade, independentemente do governo vigente ou de convicções políticas. Nossa causa é muito maior. Entre as nossas principais reivindicações está a inclusão dos restaurantes no Plano Brasil Maior. Em 2012, o setor de hotelaria foi contemplado com a eliminação da contribuição patronal de 20% ao INSS, que foi substituída pela alíquota de 2% sobre o faturamento. Queremos que os restaurantes também recebam o benefício.

É válido mencionar ainda outros segmentos relevantes para o desenvolvimento do setor: o turismo sustentável e o turismo de integração. No bojo dessa discussão, não poderia deixar de citar Foz do Iguaçu como referência no Brasil, funcionando como ponto de sinergia entre Paraguai, Argentina e Brasil. Além disso, a cidade é um ícone para o ecoturismo e turismo de aventura. O Parque Nacional do Iguaçu atrai milhares de turistas e conta com diversas atividades atraentes aos olhos dos mais aventureiros. Não foi à toa que a cidade foi escolhida para sediar o Centro de Treinamento da seleção da Coreia do Sul durante a Copa. É em pontos como as Cataratas do Iguaçu que devemos incentivar investimentos e melhorias constantes, como forma de impulsionar o turismo no nosso país. Para mim, é uma honra ter sido recentemente agraciado com o Prêmio 100 Anos de Turismo, entregue àqueles que de certa forma colaboraram para fazer do turismo a atividade econômica mais importante do município.

É importante enxergarmos também a interseção entre comércio, serviço e turismo. O diálogo entre essas três áreas também é fundamental para desenvolver a indústria turística como um todo.
As bases que compõem os 66 sindicatos representados pela FBHA geram 3,5 milhões de empregos diretos e formais. É uma grande responsabilidade. Nossa missão é promover uma gestão patronal moderna, transparente e competente em prol não só das nossas empresas e sindicatos, mas também do turismo nacional.

ALEXANDRE SAMPAIO, presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA) e do Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

Fonte: http://www.sindhoteisfoz.com.br/index.php/noticias/981-o-turismo-e-os-seus-fatores-de-desenvolvimento